Gestão Jurídica

Conheça os principais KPIs para departamentos jurídicos

27 de abril de 2021

Os KPIs, sigla para Key Performance Indicators, são instrumentos essenciais de gestão jurídica para avaliar iniciativas e analisar se os objetivos do departamento estão sendo atingidos. Pois, assim como ocorre com o ROI, o acompanhamento dessa métrica torna possível identificar quais investimentos estão funcionando adequadamente e quais não proporcionam o resultado desejado.  

Como a capacidade de analisar informações vale ouro, sobretudo em um mercado competitivo, os departamentos jurídicos e escritórios que utilizam indicadores de performance têm vantagens em relação aos concorrentes. Dito isso, vale lembrar que existem diversos tipos de KPIs, tanto para avaliar a performance dos profissionais individualmente quanto para mensurar os resultados do departamento como um todo.  

Abaixo, conheça mais sobre os KPIs e sua aplicação no setor jurídico. 

Por que utilizar KPIs?  

Em primeiro lugar, não é possível melhorar aquilo que você não mede e que, portanto, desconhece. Depois, o departamento jurídico que não controla estes KPIs certamente deve encontrar dificuldades em comprovar à diretoria o posicionamento estratégico do setor. 

Por isso, não se trata de encher o jurídico de métricas que não serão utilizadas para nada. O propósito é identificar quais fazem sentido para a sua realidade. 

Desse modo, alguns dos maiores benefícios de analisar KPIs são:  

  • Designar demandas e distribuir tarefas de acordo com o perfil de cada advogado; 
  • Analisar os pontos fortes e fracos de cada equipe; 
  • Avaliar quais processos podem ser aprimorados para aumentar a produtividade; 
  • Compreender o status geral de cada demanda; 
  • Operacionar atividades. 

Os melhores KPIs para a advocacia  

Primeiramente, para a adoção dos KPIs corretos, é fundamental que os objetivos do departamento jurídico ou escritório de advocacia estejam bem definidos. Além disso, o indicador precisa ser facilmente compreendido pela equipe jurídica, deter relevância e ser mensurável. 

Assim como não há um número mínimo, também não existe um limite de indicadores a serem acompanhados. Porém, não é recomendado que muitos KPIs sejam estabelecidos, pois o correto é priorizar aqueles que são mais relevantes. 

Geralmente, eles são analisados de forma quantitativa, qualitativa, estratégica e de indicação de desempenho. Conheça mais sobre cada um desses modelos: 

1. KPI quantitativo  

É aquele que mede o número de processos, de consultas, de contratos ou de acordos. Ele indica valores, quantidade de processos que estão sendo acompanhados, entre outros.   

2. KPI qualitativo  

Esse indicador define processos por área, mostra seus impactos nos resultados da empresa e aponta os profissionais mais adequados para determinados litígios. 

3. KPI estratégico  

O KPI estratégico é usado para medir a quantidade de ações e suas respectivas informações, como ganhos e perdas do processo. Ele permite que o advogado tome as ações necessárias para que o departamento possa evoluir em suas teses e atendimento. 

4. KPI de desempenho 

Sua função é comparar novas e antigas ações, além de avaliar a quantidade de acordos e condenações, possibilitando medir a velocidade e o desempenho na resposta do atendimento.  

Além disso, compreende a relação entre processos abertos e tamanho da equipe. Assim, a gestão tem dados mais concretos para saber se a equipe está sobrecarregada, caso haja muitos processos para poucas pessoas, ou é possível adequar as demandas, caso haja muitas pessoas para poucos processos.  

Como controlar seus KPIs de forma dinâmica, precisa e eficiente? 

Analisar um indicador de performance não precisa necessariamente ser um bicho de sete cabeças. Sobretudo quando o trabalho ocorre aliado ao uso de um software de análise jurídica balizado em Inteligência Artificial.  

Todo o trabalho de coleta de dados pode ser automatizado por meio do Legal Analytics que, inclusive, já traz um diagnóstico que serve de base para a formulação de indicadores. A partir disso, você poderá avaliar o que faz sentido mensurar considerando a demanda com a qual seu departamento jurídico trabalha.  

Portanto, considere investir em softwares de inteligência analítica, tendo em mente que as decisões baseadas em dados têm uma chance de sucesso muito maior do que aquelas embasadas somente na experiência e no feeling do gestor. Clique aqui e conheça alguns benefícios que as soluções da Deep Legal têm a oferecer.